quinta-feira, 29 de março de 2012

Alunos de pós convocam greve nacional para cobrar reajuste nas bolsas


Alunos de pós-graduação planejam paralisar as atividades acadêmicas e de pesquisa nesta quinta-feira, 29, para reivindicar o reajuste imediato do valor das bolsas de mestrado e doutorado, congelado há quatro anos.

Os estudantes pedem aumento de 40%. Hoje um mestrando ganha R$ 1,2 mil e um doutorando R$ 1,8 mil mensais das agências de fomento à pesquisa do governo federal (Capes e CNPq).

Foi a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) que convocou a greve. Segundo a entidade, o pedido de reajuste leva em conta a previsão de investimentos do Plano Nacional de Ciência e Tecnologia e a inflação acumulada do período, de cerca de 20%.

"Estamos há dois anos negociando com o governo e apresentando nossa manifestação, mas os Ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia são irredutíveis", diz a presidente da ANPG, Elisangela Lizardo, de 32 anos. Ela faz doutorado em Educação na PUC-SP.

Elisangela critica o corte de 23% no orçamento do MCT para este ano. "Isso vai na contramão do desenvolvimento do País. O governo deveria responder à crise econômica com mais investimentos, em especial em ciência e tecnologia."

Na quinta-feira, os pós-graduandos planejam fazer aulas públicas e panfletagens nas universidades. Também está previsto um "twittaço" para chamar a atenção da sociedade. Um abaixo-assinado que roda desde o ano passado já recebeu mais de 50 mil assinaturas a favor da causa dos estudantes.

'Contradição'

Elisangela vê contradição entre a "política interna de valorização dos pesquisadores" e o programa do governo federal Ciência sem Fronteiras, cuja meta é conceder 100 mil bolsas de estudo no exterior até 2014.

"O Ciência sem Fronteiras é importante para o País porque promove a integração entre instituições científicas. Por outro lado, o pesquisador, aqui no Brasil, não é valorizado. O valor das bolsas é baixo e o acompanhamento do dia a dia do estudante é deficitário", afirma a presidente da ANPG.

A reportagem não conseguiu contato com a Assessoria de Imprensa do CNPq. Enviou e-mail para a Assessoria de Imprensa da Capes, mas não obteve retorno até a publicação da matéria.

fonte: estadao.com.br/educacao

Nenhum comentário:

Postar um comentário