terça-feira, 18 de setembro de 2012

Mineiros sul-africanos aceitam oferta salarial e encerram greve

Os trabalhadores da mina de platina de Marikana, na África do Sul, aceitaram nesta terça-feira uma oferta salarial da empresa Lonmin e retornarão ao trabalho na quinta-feira, pondo fim a uma sangrenta greve de mais de um mês, e que custou a vida de 45 pessoas.

Os grevistas se reuniram hoje em um estádio de futebol e aceitaram em assembleia um salário de 10,9 mil rands (R$ 2.695), informou a rede de televisão "E-News".

Os mineiros aceitaram assim um aumento de 22% em seus salários, muito abaixo de sua primeira reivindicação, que era o triplo do valor que recebiam.

"Os mineiros estão muito contentes e consideram que foi uma vitória, por isso vão retornar ao trabalho na quinta-feira", afirmou ao site "News24" o bispo Jo Seoka, presidente de Conselho de Igrejas da África do Sul (SACC), que intermediou o conflito laboral.

O acordo entre a companhia britânica Lonmin e os trabalhadores põe fim a uma longa e sangrenta greve na qual morreram 45 pessoas, 34 delas por disparos da polícia após um protesto em 16 de agosto.

O protesto se estendeu por outras explorações dos arredores de Johanesburgo, comarca na qual fica a mina de Lonmin, e levou o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, a alertar sobre uma possível recessão pelo impacto no setor metalúrgico do país.

O massacre dos 34 mineiros fez o país reviver os episódios mais violentos do apartheid, regime de segregação racial imposto pela minoria branca sul-africana até 1994.

fonte: www.uol.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário